Ensaios de Corrosão

    Ensaio de Salt Spray (Névoa Salina)

    Este método de ensaio consiste em simular um ambiente corrosivo expondo um corpo de prova em uma câmara específica com solução salina normalizada, por um determinado tempo e temperatura.

    Segue abaixo as principais aplicações:

    • Camadas protetivas em aços, tais como: tintas, camadas galvanizadas, de cromo, de níquel, fosfatizadas entre outras.

    NORMAS DE REFERÊNCIA:
    ASTM B117, ASTM D609, ASTM D610, ASTM D714, ASTM D1654
    ISO 9227, ISO 7253, ISO 4628
    ABNT NBR ISO 8094
    JIS Z2371

    ASTM A262 – SUSCEPTIBILIDADE AO ATAQUE INTERGRANULAR EM AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS

    Segue abaixo as práticas de ensaios mais utilizadas:

    • Prática A (ácido oxálico)
    • Prática E (cobre – sulfato de cobre – ácido sulfúrico 16%)

    ASTM A763 – SUSCEPTIBILIDADE AO ATAQUE INTERGRANULAR EM AÇOS INOXIDÁVEIS FERRÍTICOS

    Segue abaixo a prática de ensaio mais utilizada:

    • Prática W (ácido oxálico)

    ASTM A923 – DETECÇÃO DE FASES INTERMETÁLICAS EM AÇOS INOXIDÁVEIS DUPLEX AUSTENÍTICOS/FERRÍTICOS

    Segue abaixo os métodos de ensaios mais utilizados:

    • Método A
    • Método B
    • Método C

    ASTM G48 – RESISTÊNCIA A CORROSÃO POR PITE E TRINCA EM AÇOS INOXIDÁVEIS E LIGAS RELACIONADAS PARA O USO EM SOLUÇÃO DE CLORETO FÉRRICO

    Segue abaixo o método de ensaio mais utilizado:

    • Método A

    ISO 3651-2 DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO INTERGRANULAR DE AÇOS INOXIDÁVEIS – PARTE 2: AÇOS INOXIDÁVEIS FERRÍTICOS, AUSTENÍTICOS E FERRÍTICOS/AUSTENÍTICOS (DUPLEX) – TESTE DE CORROSÃO EM MEIO CONTENDO ÁCIDO SULFÚRICO

    Segue abaixo os métodos de ensaios mais utilizados:

    • Método A
    • Método B
    • Método C

    NORMAS DE REFERÊNCIA:
    ASTM A262, ASTM A763, ASTM G48, ASTM A923
    ISO 3651-2